Como os cupins organizam suas colônias e ninhos? Eu te explico

Estrutura social e arquitetura dos cupinzeiros


Cupins são insetos sociais que vivem em grandes grupos, conhecidos como colônias, dentro de ninhos. Assim como as formigas, abelhas e vespas, os cupins exibem comportamentos sociais complexos e organizados. Os ninhos de cupins podem variar significativamente em estrutura, um tema que será explorado posteriormente, explica o Prof. Dr. Og Francisco Fonseca de Souza, do Curso CPT Controle de Cupins em Áreas Agrícolas.


Dentro das colônias de cupins, existem diferentes tipos de indivíduos morfologicamente distintos, conhecidos como "castas". Na casta dos reprodutores, encontramos o "rei" e a "rainha". Além do casal real, outros indivíduos da colônia, chamados de "reprodutivos suplementares ou secundários", também podem desempenhar funções reprodutivas, ajudando a expandir a colônia. Esses reprodutivos suplementares podem surgir em qualquer momento da vida da colônia.


Outras castas incluem os operários e os soldados. Os operários, que podem ser machos ou fêmeas, são responsáveis pela manutenção estrutural e funcional da colônia. Eles constroem e mantêm as paredes do ninho, túneis de prospecção de alimento e realizam todas as atividades necessárias para o funcionamento da colônia. Os operários coletam, processam e distribuem o alimento aos reprodutivos e soldados de forma "boca-a-boca". Em caso de ausência ou ineficiência de um reprodutivo primário, os operários podem se transformar em reprodutivos secundários. Por isso, para controlar efetivamente uma colônia de cupins, é necessário eliminar todos os operários, e não apenas a rainha.


Os operários são frágeis, esbranquiçados e cegos, com características morfológicas tão sutis que é difícil determinar a espécie a que pertencem.


Os soldados, por outro lado, são responsáveis pela defesa da colônia contra predadores e outros intrusos, como tatus e formigas predadoras. Eles também protegem os operários durante a coleta de alimentos. Em batalhas contra outras espécies de cupins, tanto operários quanto soldados participam na defesa do território. Os soldados, incapazes de coletar alimento, possuem adaptações morfológicas específicas para a defesa, como mandíbulas desenvolvidas e tubos frontais que expelem substâncias químicas. Estas substâncias podem ser pegajosas ou cáusticas, tornando-se eficazes na defesa contra inimigos naturais.


Arquitetura dos Cupinzeiros.

A arquitetura dos cupinzeiros varia conforme a espécie. Existem ninhos arborícolas, ninhos em forma de montículos com diferentes níveis de endurecimento e teor de matéria orgânica, ninhos de terra solta, e ninhos em forma de catedral com chaminés de alturas variadas.


Os compartimentos dentro de um cupinzeiro também variam. A "câmara de celulose", que nunca está em contato com o exterior, serve para acomodar ovos e, em alguns casos, armazenar alimentos como fungos, material vegetal e sementes. Em contraste, as galerias, presentes em todos os cupinzeiros, ligam a colônia aos locais de coleta de alimentos, constituindo a zona de influência da colônia no ambiente.


No caso dos cupins de montículo, existem espaços vazios entre a parede do cupinzeiro e o solo. É importante ter cuidado ao manipular um cupinzeiro ou realizar controle de pragas, pois esses espaços vazios podem abrigar animais perigosos como cobras e aranhas. Ao destruir um cupinzeiro, esses espaços se tornam evidentes ao soltar a base do montículo presa ao solo.


Como os cupins organizam suas colônias e ninhos? Eu te explico

A capacitação é fundamental para dominar todas as técnicas e segredos da área de suinos. O Curso CPT Controle de Cupins em Áreas Agrícolasoferece uma excelente oportunidade de aprendizado nessa área. Não deixe passar essa chance, invista em conhecimento e conquiste reconhecimento no mercado,  desenvolvendo um negócio promissor e rentável!

Conheça os Cursos CPT da área Agricultura.

Por: Thiago de Faria

Thiago de Faria Ribeiro 19-06-2024 Meio Ambiente

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.